quarta-feira, 29 de junho de 2011

Oficinas Pedagógicas - Datas Comemorativas


Sabonetes com decoupage

Porta cd com e.v.a.

Crachá menina

Cartão bolsa

Cartão coração aberto

Cartão coração fechado

Flor para colocar bom bom

Boas vindas - pantufa carinhosa
Estas sugestões são alumas ilustrações de Oficinas desenvolvidas por mim, por isso ideias que reportam a datas já passadas. As mesmas servem para demonstrar o nível das propostas desencadeadas em nossos trabalhos.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Oficinas Pedagógicas - Alfabetização


Completando o desenho com Auto retrato

Caixa de correios - o lúdico nos ensina a aprender

Trilha interpretatica com perguntas sobre histórias

Jogos: quebra-cabeça palavras e figuras

Alfabeto com texturas - inclusão


Números com dobraduras

Alfabeto com dobraduras

Caixa de texto - diversidade textual numa caixa muito atrativa
Esta Ofina tem como foco o Processo de Alfabetização que contempla, como sabemos, várias fases de nossa vida escolar. Postarei mais algumas ideias em outro momento.Sei que apreciarão. Então comentem.

Oficinas Pedagógicas - Literatura Infantil



Caixa - casa de doces de João e Maria


Avental em e.v.a. : Os três porquinhos

Fantoches com figuras móveis: A árvore triste

Fantoches de vara: A natureza infantil

Estarei postando aqui algumas fotos ilustrativas de Ofinas Pedagógicas desenvolvidas em diferentes cidades. As mesmas, tem como tema: Fazeres que constroem Saberes.
Tem como princípio básico desenvolver propostas práticas tendo como norte a fundamentação teórica adequada.
Se quiserem contratar as Oficinas, pode entrar em contato pelo e-mail: nayarabarrocal@hotmail.com, ou deixe recado no blog que eu entro em contato.
Espero que apreciem.
Deixem comentários.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Expectativas para o primeiro ano do Ensino Funadamental


1º ANO - EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM: LÍNGUA PORTUGUESA

As crianças do 1º ano têm o direito de aprender e desenvolver competências em comunicação oral , em ler e escrever de acordo com suas hipóteses. Para isto é necessário que a escola de Ensino Fundamental promova oportunidades e experiências variadas para que elas desenvolvam com confiança cada vez mais crescente todo o seu potencial na área e possam se expressar com propriedade por meio da linguagem oral e escrita
Fontes:Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil-RCNEI-MEC-Diretrizes Nacionais para a Educação Infantil-Orientações Curriculares- Expectativas de Aprendizagens e Orientações Didáticas para Educação Infantil –SME-PMSP

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM
1. Comunicar-se no cotidiano
*Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos.
*Relatar fatos que compõem episódios cotidianos, ainda que com apoio de recursos e/ou do professor.
*Escutar atentamente o que os colegas falam em uma roda de conversa, respeitando opiniões, ocupando seu turno de fala adequadamente.
* Comentar notícias veiculadas em diferentes mídias: rádio, TV, internet, jornais, revistas, etc.
* Usar o repertório de textos de tradição oral tais como parlendas, quadrinhas, adivinhas, para brincar e jogar.
* Reconhecer e utilizar rimas.
* Organizar oralmente as etapas de uma instrução (uma receita ou as regras para uma brincadeira etc.) com apoio do professor.
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Criar situações em que a crianças possa expressar-se oralmente.
* Solicitar relatos sobre episódios do cotidiano, ouvindo com atenção, considerando a criança um interlocutor real.
* Criar situações em que as crianças tenham que ouvir os colegas, por exemplo; nas rodas de conversa, atentando para os comportamentos necessários à interlocução.
* Ler para crianças notícias interessantes e solicitar comentários pessoais.
* Ler e ensinar para os alunos, parlendas, quadrinhas, adivinhas, etc.
* Tornar observável para as crianças, as rimas e repetições.
* Trabalhar com as crianças a elaboração de receitas e ensinar jogos de regras lendo as instruções e apoiando o jogo entre elas
2. Comunicar-se em situações formais (para interlocutores mais experientes)
* Dar explicações de fatos e fenômenos sociais e/ou naturais utilizando procedimentos de comunicação oral para um público específico (pais, alunos de outras turmas etc.).
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Desenvolver projetos didáticos e ou seqüência que envolvam observação,pesquisa e informação em livros e na internet sobre conhecimentos da Natureza ou Sociais
3. Ler ainda que não convencionalmente
* Identificar parlendas, quadrinhas, adivinhas e outros textos de tradição oral apresentados pelo professor.
* Ajustar o falado ao escrito a partir dos textos já memorizados tais como parlendas, quadrinhas e outros do repertório de tradição oral.
* Localizar palavras num texto que se sabe de memória tais como as brincadeiras cantadas, adivinhas, quadrinhas, parlendas e demais textos do repertório da tradição oral.
* Localizar um nome específico numa lista de palavras do mesmo campo semântico (nomes, ingredientes de uma receita, peças do jogo etc.).
* Ditar para o professor bilhetes, cartas, textos instrucionais etc.
* Diferenciar publicações tais como jornais, cartazes, folhetos, textos publicitários etc.
* Distinguir algumas características básicas dos textos informativos e jornalísticos e conhecer os diferentes usos e funções desses portadores.
* Localizar informações explícitas no texto.
* Antecipar significados de um texto escrito a partir das imagens / ilustrações que o acompanham.
* Identificar legendas e levantar hipóteses sobre seu significado.
* Ler legendas ou partes delas a partir das imagens e de outros índices gráficos.
* Apreciar e ler por prazer.
* Diferenciar tipos de livros, literários, informativos e demais suportes de texto e nomeá-los, conhecendo seus usos.
* Procurar informações, em imagens, de livros e enciclopédias sobre assuntos relacionados a plantas, corpo humano, animais, entre outros.
* Emitir comentários pessoais e opinativos sobre o texto lido.
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Criar oportunidades de leitura: de parlendas, quadrinhas etc. Solicitando que a criança diga onde está escrita determinada expressão, palavra.
* Efetuar atividades que envolvam a identificação de nomes das crianças da sala, e diferentes listas usando práticas sociais, tais como chamadas, elaboração de lista de material para festa etc.
* Oferecer oportunidades freqüentes de contato com diferentes suportes de texto, tornando observáveis as características lingüísticas, estruturais e função social.
* Tornar observável a relação entre imagem e texto, chamando atenção para os recursos que o ilustrador usou para transmitir idéias
* Oferecer momentos de leitura, manuseio de livros de maneira livre.
4. Desenvolver comportamentos leitores
* Desenvolver comportamentos para escutar leitura de histórias com atenção.
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Ler narrativas e contos para as crianças tornando observáveis as linguagens próprias a este tipo de texto explicitando os comportamentos leitores.
5. Apropriar-se da linguagem dos contos e narrativas
* Utilizar elementos da linguagem que se escreve no reconto de narrativas.
* Narrar histórias utilizando recursos expressivos próprios.
* Antecipar significados de um texto escrito a partir das imagens / ilustrações que o acompanham.
* Relacionar texto e imagem e antecipar sentidos na leitura de quadrinhos, tirinhas e revistas de heróis.
* Reconhecer nomes dos personagens dos quadrinhos e reconhecer suas características principais.
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Solicitar que as crianças recontem após ouvir leituras de contos.
* Ler narrativas e contos para as crianças tornando observáveis as linguagens próprias a este tipo de texto explicitando os comportamentos leitores.
* Criar situações em que as crianças possam antecipar os sentidos do conteúdo dos textos olhando as imagens.
* Criar situações em que as crianças possam antecipar os sentidos das histórias em quadrinho, tirinhas e revistas de heróis.
* Levantar coletivamente com as crianças personagens e suas características após s leitura.
6. Produzir textos escritos ainda que não saiba escrever convencionalmente
* Usar conhecimentos sobre as características estruturais dos bilhetes, das cartas, e-mails ao produzir um texto, ditando ao professor.
* Usar conhecimentos sobre as características estruturais das narrativas clássicas ao produzir um texto, ditando ao professor, respeitando as normas da linguagem que se escreve.
* Revisar textos escritos coletivamente com apoio do professor.
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Criar oportunidades de escritas coletivas de bilhetes, cartas e textos instrucionais tornando observáveis suas características gráficas, estruturais e função social.
* Criar oportunidades de escrever coletivamente contos tornando observáveis suas características gráficas, estruturais e função social.
* Presença de situações onde as crianças possam revisar os textos produzidos coletivamente, tornando observáveis recursos de compreensão, expressões de linguagem escrita, formas de evitar repetição.
7. Uso de texto fonte para escrever de próprio punho
* Recorrer a alfabeto exposto na sala, quadro de presença, listas diversas etc., para escrever em situações de prática social.
* Escrever o nome próprio e o de seus colegas onde isto se fizer necessário.
* Produzir listas em contextos necessários a uma comunicação social: lista de ingredientes para uma receita, títulos de histórias lidas, brincadeiras preferidas etc.
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Presença de alfabeto em letra bastão (sem enfeites e desenhos), lista de nomes etc. para apoiar a pesquisa gráfica da criança para escrever de próprio punho.
* Criar oportunidades para que os alunos escrevam listas com função social real.
8. Demonstrar consciência crescente sobre as regularidades do sistema de escrita
* Arriscar-se a escrever segundo suas hipóteses.
* Refletir em dupla sobre seus escritos demonstrando a capacidade de rever a produção inicial
CONDIÇÕES DIDÁTICAS
* Promover situações nas quais as crianças sejam levadas a pensar sobre as especificidades do sistema e escrita alfabética
* Ler para as crianças diferentes tipos de livros e textos tornando observáveis os comportamentos leitores necessários para cada tipo de suporte de texto.
1º ANO - EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM: MATEMÁTICA

As crianças do 1º ano têm o direito de usar seus conhecimentos e habilidades para resolver problemas, raciocinar,calcular, medir, contar , localizar-se, estabelecer relações entre objetos e formas. Para isto é necessários que a Escola de Ensino Fundamental promova oportunidades e experiências variadas para que elas desenvolvam com confiança cada vez mais crescente todo o seu potencial na área .
Fontes: PCNS, RCNEI, Matemática é D+ FVC

1. Usar números no cotidiano e efetuar operações

* Atribuir significado, produzir e operar números em situações diversas de acordo com suas hipóteses.
* Refletir acerca das regularidades do sistema numérico.
* Produzir escritas numéricas ainda que não seja registro convencional.
* Saber ouvir as explicações de seus colegas respeitando as diferentes soluções encontradas.
* Incorporar soluções, reestruturar e ampliar idéias nos problemas apresentados.
* Realizar contagens orais de objetos usando a seqüência numérica.
* Comunicar quantidades, utilizando linguagem oral, notação numérica ou registros não convencionais.
* Construir procedimentos de agrupamentos a fim de facilitar a contagem e comparação entre duas coleções.
* Indicar o número que será obtido se forem retirados objetos de uma coleção dada.
* Indicar o número de objetos que é preciso acrescentar a uma coleção para que ela tenha tantos elementos quantos os de outra coleção dada.

Condições Didáticas

* Propor atividades que envolvam o sistema de numeração e o uso dos números em diferentes situações.
* Promover sequências didáticas e ou projetos didáticos nos quais as crianças precisem escrever os números ( por exemplo, idade, telefone, numeração do calçado, peso altura etc.) auxiliando para que se tornem observáveis as regularidades.
* Garantir que todas as crianças tenham espaço, em algum momento, para expor o que pensam e fazem.
* Criar situações em que as crianças ouçam as soluções que os colegas acharam para os problemas e reavaliem suas soluções caso seja apropriado.
* Criar oportunidades de contagens em situações de práticas sociais reais, por exemplo, usando coleções de objetos de interesse das crianças.
* Verificar como as crianças fazem contagens e que estratégias usam.

* Possibilitar usar jogos de tabuleiro e de regras que necessitem marcar pontos.
* Criar oportunidades nas quais as crianças tenham que comparar quantidades de forma contextualizada
* Propor problemas que envolvam somar e subtrair.
* Criar situações problema envolvendo ações de transformar e acrescentar.

2. Estabelecer relações entre espaço, objetos, pessoas e forma

* Identificar pontos de referência para indicar sua localização na sala de aula.
* Indicar oralmente a posição onde se encontra no espaço escolar e representá-la por meio de desenhos.
* Indicar o caminho para se movimentar no espaço escolar e chegar a um determinado local da escola e representar a trajetória, por meio de desenhos.

Condições Didáticas

* Propor situações em que a criança tenha que se situar no espaço, deslocar-se nele, dê e receba instruções de localização.
* Propor atividades que as crianças possam representar a posição de um objeto e ou pessoa estática ou em movimento.
* Propor atividades nas quais as crianças tenham que construir utilizando desenhos seu itinerário, solicitando pontos de referência

3. Explorar diferentes procedimentos para medir objetos e tempo

* Comparar tamanhos, estabelecer relações.
* Utilizar-se de expressões que denotam altura, peso, tamanho etc.
* Pensar e desenvolver estratégias próprias e ou com colegas para medir, pesar e produzir representações dos dados encontrados.
Identificar dias da semana, meses do ano, horas.

Condições Didáticas

* Propor atividades nas quais as crianças tenham que medir, e ou pesar usando instrumentos não convencionais e convencionais tais como fita métrica, régua, balança etc.
* Oferecer atividades em que as crianças precisem calcular por exemplo, quantos passos é preciso dar para chegar a um determinado local etc.
* Trabalhar diariamente com o calendário para identificar o dia do mês e registrar a data


1º ANO - EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM: ARTES

As crianças do 1º ano têm o direito de conhecer a produção artística, expressar sua criatividade compartilhando: pensamentos, idéias e sentimentos também por meio de atividades de exploração envolvendo artes visuais e música, reconhecidas como linguagem e conhecimento. Para isto a escola de Ensino Fundamental deverá oferecer diferentes situações de contato com a produção artística , possibilitando o fazer e o apreciar.


EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM

1. Reconhecer elementos básicos da linguagem visual

* Identificar algumas técnicas e procedimentos artísticos presentes nas obras visuais
* Apreciar externando opiniões, sentimentos reproduções de obra de arte em livros, internet, documentário, museus, casas de cultura, ateliers

Condições Didáticas

* Oferecer diversidade de produções artísticas para que a criança aprecie
* Instigar na observação das obras, a descoberta e o interesse das crianças
* Escolher artistas cujas obras sejam significativas para as crianças quer pelo uso de temas ou técnicas e suportes
*Pesquisar junto com as crianças em livros, internet museus e ao vivo com artistas locais, informações interessantes sobre o artista e obras analisadas

2. Utilizar elementos da linguagem visual para expressar-se

* Desenhar, pintar, esculpir, produzir colagens etc. transformando, produzindo novas formas, pesquisando materiais, pensando sobre o que se produz

* Explorar espaços e materiais bidimensionais e tridimensionais em seus projetos
* Valorizar suas produções e de seus colegas

Condições Didáticas

*Organizar um espaço para dispor os materiais e suportes necessários à produção e criar sistemática de uso
* Promover situações que as crianças possam produzir em argila, massa de modelar, e demais recursos que permitam a tridimensionalidade
* Expor com estética e cuidado as produções das crianças, socializar em roda de conversa, por exemplo, as soluções encontradas para produzir com singularidade

3. Reconhecer elementos básicos da linguagem musical

* Conhecer repertório de músicas não só infantis, mas,populares, clássicas etc.

Condições Didáticas

* Oferecer diversidade de produções musicais para que a criança aprecie, por meio de CDs, DVDs de apresentações e apresentações ao vivo
* Instigar na observação das obras, a descoberta e o interesse das crianças por detalhes sonoros, identificação de instrumentos etc.
* Escolher artistas cujas obras sejam significativas para as crianças quer pelo uso de temas, intencionalidade, diversidade regional
* Pesquisar junto com as crianças em livros, internet, e com o próprio ( em caso de artistas locais) informações interessantes sobre o artista e sobre a sua produção





4. Utilizar-se dos elementos básicos da linguagem para expressar- se musicalmente

* Fazer arranjos simples, interpretar, utilizando a voz, sons feitos com o corpo materiais sonoros convencionais e não convencionais, instrumentos musicais e tecnologia
* Explorar as diferentes propriedades do som

Condições Didáticas

* Organizar um espaço para dispor os materiais sonoros necessários à experimentação, e improvisações etc.
* Propor a construção de objetos sonoros
* Propor atividades que tornem observáveis altura, timbre, intensidade
* Promover situações que as crianças apresentem-se para públicos diversos as canções que aprenderam e as produções sonoras.

Novidades para compreender o Primeiro Ano


1º ANO - MOVIMENTO, BRINCAR, CUIDAR DE SI, DO OUTRO E DO AMBIENTE
As crianças do 1º ano têm o direito de expressar-se também por meio da brincadeira, do movimento, de conhecer seu corpo, suas habilidades motoras exercitando-as, cuidando cada vez melhor de si, do outro e do ambiente. Para isso a escola de Ensino Fundamental, precisa oferecer diferentes oportunidades para que a criança brinque, valorize a atividade física, adquira autoconfiança, e desenvolva ações para garantir seu bem-estar e os cuidados com ambiente.
Fonte RCNEI-PCNS

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM

1. Brincar por conta própria e interagir com os colegas
* Brincar de: faz- de conta, escolhendo temas, enredos papéis e companheiros.

Condições didáticas
* Organizar espaço, materiais e tempo para que a criança brinque diariamente.

2. Brincar de jogos de construção
* Construir só ou com amigos estruturas de blocos de madeiras, papelão, panos etc. para brincar de temas variados.

Condições Didáticas
* Observar as brincadeiras para registrar as capacidades infantis ligadas à linguagem oral, às interações e socialização, intervindo apenas quando se fizer necessário

3. Ampliar as possibilidades expressivas do próprio movimento
* Usar estruturas rítmicas para expressar-se por meio da dança, brincadeiras e outros movimentos.

Condições Didáticas
* Oferecer diversidade de apresentações que envolvam a dança para que a criança aprecie utilizando DVDs, e apresentações ao vivo quando possível.
* Instigar na observação de diferentes tipos de danças apoiando a descoberta e o interesse das crianças

4. Explorar diferentes qualidades e dinâmicas do movimento
* Desenvolver progressivamente a coordenação,o equilíbrio, a força, velocidade , a resistência, a flexibilidade.

Condições Didáticas
* Propor atividades físicas que envolvam: correr, pular, jogar, nos espaços externos e internos
* Oferecer oportunidades de jogar com regras jogos tradicionais usando bolas, cordas, tacos etc.

5. Apropriar-se progressivamente da imagem global de seu corpo, construindo auto- confiança em suas habilidades físicas
* Perceber e identificar sensações físicas, limites e potencialidades de seu corpo.

Condições Didáticas

* Tornar observável para a criança modificações corporal após exercícios mais intensos e mais calmos.
* Propor jogos que envolvam que envolvam interação, imitação e reconhecimento de partes do corpo.
* Valorizar as conquistas corporais, incentivar as habilidades motoras.

6. Aprender a cuidar de si no cotidiano, com segurança e autoconfiança, cuidar do outro e do ambiente

* Identificar necessidades físicas e saber satisfazê-las com independência.Exemplo sede, frio, calor etc.
* Aprender cuidados básicos de higiene. Exemplo: lavar as mãos após ida ao banheiro e antes de comer.
* Movimentar-se com segurança identificando situações cotidianas de risco contra sua integridade física.
* Oferecer ajuda a um colega quando se fizer necessário.
* Desenvolver hábitos de cuidados com o ambiente, reciclagem, economia de água etc.

Condições Didáticas

* Criar condições para que as crianças possam atender necessidades físicas com independência.
* Ensinar e oferecer condições para o auto-aprendizado dos cuidados de saúde.
* Tornar observável para a criança possíveis áreas de risco, auxiliá-la a identificar códigos identificadores de perigo.
* Chamar a atenção para as necessidades de colegas.
* Instituir hábitos de reciclagem e economia de água.

Festas Juninas


Espantalho na lata para lembrancinha. Uma graça reciclada.

Bandeiras decoradas! Muito bonitas e criativas!

Lembrancinha para as famílias. Quem não gosta?

Casal de espantalhos para a decoração. Achei lindos demais!

Convites para a festa junina. O que não falta é opção!
As Festas Juninas, representam pra mim, época de alegria, de animação, de abrir mão do que é certinho e brincar num mundo de faz de conta, onde passamos a fazer parte de uma mundo a parte, com roupas coloridas, rosotos pintados, comidas típicas (hum!!! adoro!!!), dizeres diferentes, fogos, fogueira, bandeirolas. Ufa! Quanta coisa boa!!!
Sabem como surgiram as festas Juninas? Vamos pesquisar?

Como sabem, meu foco neste blog não é propor atividades e sugestões prática, pois meu objetivo maior é acerca da teorização da educação, são os textos, os estudos, as pesquisas, etc. Mesmo assim, posto algumas coisinhas que desenvolvo em Oficinas Pedagógicas. Espero que gostem!

terça-feira, 14 de junho de 2011

Seja um seguidor do blog. É fácil!!!



Gente,
Seja seguidor deste blog. Com certeza, ajudará a levar a mais pessoas os conhecimentos que este traz e também promoverá a bandeira principal deste, que é a inclusão escolar.
Ser seguidor é muito fácil e além de colaborar para uma educação de qualidade, motivará ainda mais a implementação do blog, que está cada dia mais rico.
Você poderá ajudar a fazê-lo. Quando quiser, poderá enviar textos e propostas, que serão analizadas e postadas sempre que possível.
Iremos aprender aqui neste mini tutorial como fazer para se tornar seguidor deste blog, especificamente dos blogs que estão hospedados no Blogger, que faz parte do Google.
É só seguir abaixo, que dará tudo certo.
Vamos ao tutorial?!

Tutorial 1

1° - Você precisará ter uma conta de email de conta do Google, isto quer dizer: Se você tiver Orkut, ou email do Gmail, hotmail ficará mais fácil de se tornar seguidor. Bom, de qualquer forma, tente! Pois sei de alguns casos que pessoas mesmo não tendo conta no Google conseguiram. Clique sobre a apalvra seguir, localizada próximo às fotos dos seguidores.

2° - Assim que clicar irá abrir outra janela. Onde vai te pedir para confirmar se quer Seguir Este Blog. Basta clicar onde está indicado. Poderá visualizar também os seus dados, como foto, nome. E você também pode optar por seguir publicamente ou seguir de maneira privada.

3° - Assim que você clicar já se tornou seguidor do blog. E com isso irá receber as atualizações do blog a cada postagem, poderá visualizar sempre no momento que eu estiver postando.

Atenção! Se você não conseguiu se tornar seguidor, através do tutorial acima, é por que sua conta do Gmail, ou seja, do Google não está ativada. Ou pode ser também que não tenha nenhuma conta do Google.
Se isso ocorrer, pode seguir esta outra forma de também se tornar um seguidor.


Tutorial 2

1° -Clique no botão Seguir.

2° - Em seguida irá abrir uma nova janela, te pedindo para fazer um login, na sua conta de email. Porém somente a conta do email do Gmail, ou de sua conta do Orkut.

3° - Assim que entrar, irá abrir novamente uma nova janela. Observe, pois há várias contas, como o Google, Yahoo, Netlog. Escolha o tipo de conta que deseja se conectar, e se tornar um seguidor, e clique em uma delas.

4° - Assim que clicar irá abrir outra janela. Onde vai te pedir para confirmar se quer Seguir Este Blog. Basta clicar onde está indicado. Poderá visualizar também os seus dados, como foto, nome. E você também pode optar por seguir publicamente ou seguir de maneira privada.

5° - Assim que você clicar já se tornou seguidor do blog. E com isso irá receber as atualizações do blog a cada postagem, poderá visualizar sempre no momento que eu estiver postando.

Este processo não é somente para seguir o www.saberesefazeresnaeducacao.blogspot.com, mas todos os blogs que desejar, e que possuam esta janela para Seguidores. Tenho o conhecimento de pessoas que utilizam este widget na plataforma Wordpress, tanto como na plataforma Blogger e com isso também podemos seguir.

Importante: Não se esqueça que para seguir através deste método, é necessário que tenha uma conta no Google, Gmail, ou no Orkut. Possuindo uma conta, pode se tornar seguidor de qualquer blog.

Agradeço a todos.

Seja um seguidor do blog. É fácil!!!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O QUE OS TEÓRICOS FALAM SOBRE OS BEBÊS?



A grande maioria das profissionais envolvidas com as turmas de Berçário reclama da pouca fundamentação teórica existente, das poucas atividades e possibilidades de brincadeiras para realizar no dia-a-dia da creche. Nos últimos anos tivemos muitas contribuições nos estudos à cerca dessa faixa etária, mas é possível encontrarmos muito a respeito do que fazer com bebês em três grandes teóricos: Piaget, Vygotsky e Wallon.
Então o que dizem os teóricos sobre a faixa etária de 0 à 2 anos? Para essa resposta vou me basear principalmente nas anotações que realizei durante a segunda formação continuada das turmas de Berçário da cidade de Esteio/RS realizada no ano de 2008.
Começo essa fundamentação teórica sobre o trabalho com bebês com o estudioso Henri Wallon (1872-1962). Para Wallon a emoção é o principal mediador das relações da criança com o meio e ela se desenvolve pelo conflito. Na teoria de Wallon (apud GALVÃO, p. 60) o bebê pouco a pouco vai estabelecendo um contato mais intimo com o que o cerca, dando correspondência a seus atos, passando também pelos estágios de desenvolvimento que são diferenciados e caracterizados por necessidades e interesses específicos da criança.
No estágio impulsivo-emocional, o bebê reage às sensações através de descargas musculares e movimentos descordenados. Quando esses movimentos despertados pelas sensações vão sendo identificados pelos adultos é que o bebê começa a se desenvolver, há um elo de comunicação do bebê com o meio, constituindo novas formas de pensamento. Por isso, a importância na qualidade das interações que são oferecidas aos bebês.
Ainda na faixa etária de 0 à 2 anos, temos o estágio sensório-motor em que acontece a manipulação de objetos através da boca e isso por que, na verdade, a boca se constitui como o único local que possui movimentos coordenados. Enquanto leva os objetos à boca o bebê também começa a coordenar os movimentos das mãos e dos braços. Essa manipulação de objetos vai ser facilitada pela marcha (primeiros passos) e pelo inicio da fala.
Wallon também fala sobre a importância da criança se apropriar do espaço em que está inserida e de como o espaço infantil (no nosso caso a escola, a sala de aula) deve ser para a criança um campo de atividades que vão sendo ampliadas. Assim, “os aspectos físicos do espaço, as pessoas próximas, a linguagem e os conhecimentos próprios a cada cultura formam o contexto do desenvolvimento (GALVÂO, 1995, p. 39). Antes de trazer um pouco do estudo de Vygotsky (1897-1934), penso ser importante mencionar que o interesse dele no estudo da infância, se deve ao fato de querer comprovar que o desenvolvimento é socialmente constituído.
Para esse teórico, “desde os primeiros dias do desenvolvimento da criança, suas atividades adquirem um significado próprio num sistema de comportamento social [...]” (VYGOTSKY, 1984, p. 33). Ele justifica assim, a importância da interação do adulto com a criança, levando-a a significar culturalmente o meio em que está inserido, sempre se desenvolvendo através das mediações e interações do outro.
Vigotsky trás na sua teoria o conceito de zona de desenvolvimento real que se caracteriza pelas etapas já alcançadas pela criança, sendo aquilo que ela já sabe e a partir disso, nos chama a atenção para trabalharmos na zona de desenvolvimento proximal ou potencial da criança, definindo esse conceito como as funções que ainda não foram alcançadas ou que são realizadas com a ajuda do outro.
Justifica-se aí a intencionalidade das salas com desafios planejados, criados de acordo com a zona de desenvolvimento real dos bebês, mas com vistas para o que ainda poderão alcançar e amadurecer. É na zona de desenvolvimento proximal que deve ocorrer a intervenção pedagógica e as interações do bebê com o educador e com o ambiente.
Vygotsky acredita no desenvolvimento da aprendizagem através da interação e da imitação. Para esse pesquisador, ” imitar não é uma mera cópia do modelo, mas uma reconstrução individual do que é observado nos outros”(OLIVEIRA, 1993, p. 63). A imitação aparece como uma possibilidade de se reconstruir o que se percebe externamente. Assim, a imitação se relaciona com o processo de desenvolvimento proximal quando, por exemplo, um bebê (após constante interação com o adulto cuidador) imita seus atos, ou os chamados jogos gestuais (dar beijinho, fazer careta, barulhos com a boca). A imitação permite à criança que ela supere suas capacidades, porém ela avança só o que lhe permite seu nível de desenvolvimento, possibilitando compreender o outro e o ambiente.
O último teórico que trago é Jean Piaget (1896-1980), que no trabalho a ser realizado com bebês fala sobre o estágio sensório-motor que ocorre mais ou menos do zero aos 2 anos. Nesse estágio as percepções são marcadas não pela representação do objeto, mas sim sobre a ação direta da criança sobre ele. As interações que ocorrem entre o bebê e um objeto é uma maneira de explorar, tentar conhecer, comparar com outros esquemas já conhecidos também através da manipulação.
Piaget também trás alguns conceitos que devem ser colocados como intencionalidades ou habilidades a serem desenvolvidas com bebês. A noção de objeto permanente, ou seja, o bebê não está convencido de que quando um objeto desaparece diante dele, pode encontrá-lo de novo. São as interações, brincadeiras (lembram da brincadeira do paninho?) e conversas que o ajudarão a ter essa percepção.
É também no estágio sensório motor que temos a possibilidade do começo do trabalho com as idéias de espaço (materiais e corporais), tempo (duração e sucessão de eventos), causalidade (relação que une a causa a seu efeito – apagar e desligar a luz é uma ótima descoberta!) e de reversibilidade (tem a possibilidade de retornar).
Sabendo dessas teorias, e trazendo-as para dentro do espaço da sala de aula através de ações, materiais e interações, estaremos contemplando o bebê enquanto aluno e enquanto sujeito ativo do seu conhecimento.

Crianças que apresentam necessidades especiais: é preciso conhecê-las para melhor compreendê-las.



A Educação Infantil é o melhor momento de incluir crianças que apresentam necessidades educacionais especiais, mas para isso, o educador precisa conhecê-las para saber desenvolver com coerência sua prática pedagógica.
*Por Nayara Barrocal

Compreender a inclusão escolar desde a Educação Infantil como necessidade para toda a sociedade é fundamental já que esta atingirá todos os segmentos da comunidade e aquilo, que não era tido como “normal”, se torna riqueza para todos que de forma direta ou indiretamente, serão contemplados.
É necessário lembrar que a primeira infância é o melhor momento da vida das crianças que apresentam necessidades educacionais especiais, para aprenderem e ensinarem com as diferenças.
Tendo como base este princípio, a proposta inicial da inclusão destas crianças nas classes regulares de ensino pauta-se numa adaptação da realidade educacional a partir do conhecimento buscado acerca das principais recorrências em salas de aula para desta maneira, identificar melhor suas limitações e habilidades e assim, desenvolvermos nossas práticas pedagógicas.
Importante ressaltar porque o termo deficiência, tão conhecido e utilizado, inclusive pelos documentos oficiais, neste artigo é substituído por necessidades especiais. Não concordando com a idéia de que o deficiente quer dizer aquele que não é eficiente, e sabendo que o mesmo, possui de acordo com suas limitações, capacidades e habilidades, trocam-se os termos para melhor introduzir tal temática.
Sendo assim, a definição básica da criança que apresenta necessidade educacional especial consiste em que esta possui uma necessidade especial na aprendizagem, podendo ser decorrente ou não de causa orgânica, de caráter temporário ou permanente ou ainda resultado de um talento muito superior a média das outras crianças com a mesma faixa etária. Seguem abaixo as definições destas:

• Altas habilidades e superdotação - notável desempenho e elevada potencialidade em qualquer dos seguintes aspectos, isolados ou combinados: capacidade intelectual geral; aptidão acadêmica específica; pensamento criativo ou produtivo; capacidade de liderança; talento especial para artes; capacidade psicomotora.

• Autismo – transtorno de desenvolvimento caracterizado, de maneira geral, por problemas nas áreas de comunicação e interação, bem como por padrões restritos, repetitivos e estereotipados de comportamentos, interesses e atividades.


• Condutas Típicas – manifestações de comportamentos típicas de “portadores” de síndromes (exceto Síndrome de Down) e quadros psicológicos, neurológicos ou psiquiátricos que ocasionam atrasos no desenvolvimento e prejuízos no relacionamento social, em grau que requeira atendimento educacional especializado.

• Deficiência Auditiva - perda parcial ou total da audição, variando de acordo com o nível ou acuidade auditiva:
1. Moderada / leve - torna-se capaz de processar informações linguísticas pela audição, consequentemente, é capaz de desenvolver a linguagem oral.
2. Severa / profunda – apresenta dificuldades para desenvolver a linguagem oral espontaneamente, geralmente utiliza a Língua de Sinais.

• Deficiência Física /Motora – alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, abrangendo, dentre outras condições, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidades congênitas ou adquiridas, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho das funções.

• Deficiência Intelectual ( antiga deficiência mental) – caracteriza-se por limitações significativas tanto no funcionamento mental como na conduta adaptativa, na forma expressa em habilidades práticas, sociais e intelectuais.

• Deficiência Múltipla – é a associação de duas ou mais deficiências primárias (intelectual, auditiva, física e visual), com comprometimentos que acarretam atrasos no desenvolvimento global e na capacidade adptativa.

• Deficiência Visual – é a perda total ou parcial, congênita ou adquirida, variando com o nível ou acuidade visual da seguinte forma:
1. Cegueira: é a perda total ou resíduo mínimo de visão que leva a pessoa a necessitar do Sistema Braile como meio de leitura e escrita.
2. Baixa visão ou visão subnormal: é o comprometimento do funcionamento visual de ambos os olhos, mesmo após tratamento ou correção. A pessoa com baixa visão possui resíduos visuais em grau que lhe permite ler textos impressos ampliados com uso de recursos ópticos especiais.
3. Surdo cegueira: é uma deficiência singular que apresenta perdas auditivas e visuais concomitantemente em diferentes graus, necessitando desenvolver diferentes formas de comunicação para que a pessoa surda cega possa interagir com a sociedade.

• Síndrome de Down – alteração genética cromossômica do par 21, que traz como conseqüência características físicas marcantes e implicações tanto para o desenvolvimento fisiológico (cardiopatias, obesidades e outros) quanto para a aprendizagem ( leitura, escrita linguagem oral).

• TDAH ou Hiperatividade – condição neurológica que caracteriza-se pela ausência de concentração, distração constante, desorganização, adiamentos, falta de autodisciplina, dificuldade de aprendizagem.
• Incluem-se ainda nesta perspectiva, as crianças com patologias que demonstram uma diminuição significativa da qualidade de vida: diabetes, câncer, AIDS.

Todo educador, comprometido com a inclusão escolar e com o desenvolvimento global de todas as crianças deve buscar o conhecimento acerca das necessidades educacionais especiais, para melhor entender o processo como um meio de promoção de melhores condições de vida para elas, caso contrário, negarão o direito destas crianças conhecerem o mundo, partilharem amizades e desenvolverem os pensamentos do coletivo de forma democrática.

Para saber mais:

Sites para pesquisas

WWW.comvida.org.br

WWW.cidadaoeficiente.com.br

WWW.deficienteeficiente.com.br

WWW.defnet.org.br

WWW.entreamigos.com.br



Indicações de leitura

A criança em desenvolvimento, Helen Bee, Artmed
Compreendendo a deficiência mental, Maria Teresa Egler Mantoan, Scipione
Autismos, Paulina Rocha, Esauta
Hiperatividade – Abram Topczewski, Casa do Psicólogo

Inclusão: Utopia possível na Educação Infantil




*Por Nayara Barrocal
Compreendendo a Inclusão
A inclusão é uma inovação na área de educação, especialmente na Educação Infantil, o que é transformador e muitas vezes, é preciso ser lembrado de que é possível fazer, mas para que isso ocorra é indispensável ser desvelado, para que possa ser compreendido por todos e aceito sem resistências. Para tanto conceber os avanços da inclusão na Educação Infantil é entender a relevância deste processo para o desenvolvimento pleno destas crianças desde a primeira infância de forma a lhe garantir um futuro mais justo, onde seja apresentado, um mundo igual para todos.
Incluir na Educação Infantil significa romper com o atual paradigma educacional, buscar um caminho para que a escola possa fluir, espalhando sua ação formadora por todos os que dela participam. E se o que pretendemos é que a escola seja inclusiva, é urgente que seus planos se redefinam para uma educação voltada para a cidadania global, plena, livre de preconceitos e que reconhece e valoriza as diferenças.
Com este novo paradigma, a visão assistencialista e de educação compensatória para as crianças que apresentam necessidades especiais é destruída, pois surge a visão do desenvolvimento integral que tanto se difunde neste segmento da educação, tornando a escola, um espaço de descobertas e conquistas nos âmbitos: psicológico físico, social e intelectual, bem como, atendendo às necessidades básicas das crianças (afetivas, físicas e cognitivas).
Ainda são poucas as escolas de Educação Infantil inclusivas, pois a maioria ainda integram as crianças achando que estão incluindo. A diferença entre integração e inclusão é muito grande, são coisas totalmente diferentes: No processo de integração os alunos têm de mudar para se adaptarem às suas exigências e na inclusão, a escola que se adapta ao aluno.
São muitas as preocupações envolvendo o espaço físico, formação de professores, adaptações, legislação, mas o processo de inclusão educacional não depende só destes aspectos, mas do mais importante de todos que é aceitar as diferenças das crianças que apresentam necessidades especiais, não só pelos demais colegas, mas por toda a comunidade escolar.
Os especialistas em inclusão afirmam que a escola, organizada como está, produz a exclusão. Os conteúdos curriculares são tantos que tornam alunos, professores e pais reféns de um programa que pouco respeita as particularidades e interesses das crianças. Além disso, existem as demais barreiras: falta de formação dos professores para atender estas crianças sem segregá-las, arquitetônicas( ausência de rampas, banheiros adaptados e recursos adaptáveis às necessidades de cada um), e acompanhamento de profissionais de áreas diversas que dão suporte ao trabalho pedagógico desenvolvido( saúde e assistência social). Isso ocorre não só com crianças com deficiência. A escola trabalha com um padrão de aluno e quem não se aproxima dele, é excluído.
Educação Inclusiva é muito mais do que a escola especial. Como tal, sua prática não precisa estar limitada a um sistema paralelo de educação, e sim fazer parte da educação como um todo, acontecendo nas escolas regulares e constituindo-se em mais um sinal de qualidade em educação. Na Educação Infantil, a inclusão tem grande importância, já que nesta etapa são oferecidas propostas que tendem a desenvolver a criança como um todo, portanto, que seja nesta, o primeiro contato da criança que apresenta necessidade especial com o mundo novo que a escola tem para te mostrar. Desta forma, o conhecimento acerca das particularidades do processo é imprescindível.
Impossível falar em Inclusão, sem falar das Leis
Um dos fatores primordiais para que a Inclusão Educacional ocorra de fato e de direito na Educação Infantil, é que os envolvidos na comunidade escolar, conheçam a Legislação Brasileira que ampara este processo, de forma a se embasar numa trajetória que diariamente construímos juntos. É importante lembrar que ainda existem muitas barreiras a serem quebradas para que o processo seja aceito, entendido e respeitado. Para tanto, é interessante fazer uma retrospectiva desta caminhada em torno do amparo legal.
Antes do século XX o sistema de educação no Brasil não contemplava o processo de inclusão, ao contrário, foi um período caracterizado pela exclusão. Mais tarde, surgiram as classes especiais localizadas em poucas instituições de ensino, onde só havia especo para a segregação das crianças especiais.
A partir da década de 50, as escolas especiais começam a surgir e posteriormente, classes especiais em todas as escolas regulares de ensino. Já na década de 70, as crianças puderam frequentar as salas regulares, porém ainda sem qualquer tipo de adaptação necessária ao atendimento especializado destas.
Antes de prosseguir, é relevante destacar que o Brasil tem uma importante legislação que contempla tal assunto e que merece ser apreciada. A Constituição Federal de 1988 estabelece, no artigo 208, III, que é dever do Estado garantir o atendimento educacional especializado, preferencialmente na rede regular de ensino. Essa lei é reforçada e amparada por leis posteriores: Estatuto da Criança e do Adolescente (1990), Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996) e Decreto n° 3.298, de 20 de dezembro de 1999.
Com o incentivo das Nações Unidas, na década de 90, passa-se a discutir com maior ênfase, a importância da inclusão educacional propriamente dita através das adaptações necessárias.
Este movimento mundial em torno teve como pontapé inicial a Conferência Mundial de Educação para todos na Tailândia em 1990, sendo implementado e complementado na Espanha, em 1994, por meio da Declaração de Salamanca.
A Declaração de Salamanca é o texto mais completo sobre Inclusão Educacional e o nosso país é signatário. Este apresenta uma estrutura de ação em Educação Inclusiva que define as linhas de ação a serem desenvolvidas enfatizando a Educação Infantil no processo. Determina ainda a reformulação das instituições educacionais em Escola para Todos, que têm como princípio orientador a inclusão de todo aluno, em seu contexto educacional e comunitário.
Atendendo a Declaração de Salamanca, a Educação Infantil deve ser implementada com uma Pedagogia voltada para a diversidade e necessidade específicas das crianças que apresentam necessidades especiais em diferentes contextos, não esquecendo de beneficiar a todos de forma igualitária.
A partir deste movimento a Inclusão Educacional tornou-se cada vez mais necessária e por isso, a implantação de políticas no segmento da Educação Infantil para alcançar tal objetivo, tornou-se ainda mais urgente, na qual se baseava em três vertentes: garantir o acesso e a permanência, com êxito, das crianças com necessidade especiais na Educação Infantil da rede regular de ensino; organizar e redimensionar os programas de estimulação precoce e das classes pré-escolares pertencentes às Instituições de educação especial; apoiar o processo de transição dos alunos atendidos anteriormente nos centros de educação especial para a rede regular de ensino, por meio de ações integradas de apoio à inclusão.
Sendo assim, é possível observar que implementações importantes foram feitas ao longo da história da Educação Inclusiva Brasileira e que mesmo assim registrou-se uma tímida evolução.
O modelo escolar antigo possuía uma visão assistencialista na Educação Infantil, rompendo com este e buscando atender as crianças que apresentam necessidades especiais com a Inclusão efetiva, conseguiremos alcançar o desenvolvimento de todas as crianças, considerando-a autônoma e capaz no ambiente em que está imersa.
Portanto a Inclusão de crianças que apresentam necessidades especiais na Educação Infantil segue as definições da Constituição no que diz respeito à importância que devemos dar a vivência destas com as demais crianças no intuito de favorecer seu desenvolvimento. O princípio fundamental da escola inclusiva é o de que todas as crianças devem aprender juntas, independentemente de quaisquer dificuldades ou diferenças que possam ter, e isso é o que concebe o princípio básico de toda Legislação Brasileira.
Atualmente, na legislação educacional (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), a Educação Infantil é definida como a primeira fase da educação básica, que para os leigos no assunto, significa um período de brincar, de desfrutar do lúdico sem cobranças, para outros com mais conhecimento, a criança é vista como um sujeito ativo na construção do seu conhecimento e da sua cidadania.
Todo professor precisa conhecer a política educacional que orienta as ações no campo da educação inclusiva para que possam trabalhar de acordo com o que é legal e sabendo que está agindo amparado por pesquisas, análises e procedimentos indicados corretamente. Estes, podem ser facilmente encontradas no Plano Decenal de Educação para Todos (1993 – 2003), as metas são definidas no Plano Nacional de Educação (2001) e as orientações, nas Diretrizes Nacionais para Educação Especial na Educação Básica (2001) e no documento Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil – Estratégias e Orientações para a Educação de Crianças com Necessidades Educacionais Especiais (MEC, 2001).
Daí a importância ainda maior, de insistir em saber em que se baseia a inclusão das crianças que apresentam necessidades especiais na classe regular de ensino desde a primeira infância. Para saber mais acerca deste tema e de outros sub-temas, seguem sugestões de sites que ao serem visitados, acrescentarão mais informações.
Educação para todos
Ao longo da história o conceito de deficiência que foi sendo construído, certamente o foi na perspectiva de atender aos interesses daqueles que se apresentavam como eficientes. Isto não quer dizer que as diversas deficiências em si, não tiveram existência concreta. O que se pode constatar, é que o tratamento destas questões, durante o longo processo que a humanidade realizou em direção a maior humanização, poucas vezes privilegiou o atendimento a estas dificuldades apresentadas pelo corpo. Na sociedade em que vivemos poucas vezes, o homem foi visto como ser social, mas sim como ser físico, o que na maioria das vezes fazia a criança que apresenta necessidade especial ser isolada, pois de nada significava para a sociedade que estava inserida.
No âmbito da Educação Infantil, o panorama não era diferente, se a criança dotada de suas faculdades físicas e mentais perfeitas não eram aceitas como seres integrantes da sociedade educativa, imagine a criança que apresentava necessidades especiais.
É necessário lembrar que a Educação Infantil é uma etapa privilegiada para o avanço em direção aos objetivos da educação inclusiva e a infância é o melhor momento para se oportunizar a aprendizagem das diferenças, envolvendo-se também neste processo, pais, professores e sociedade em geral. Diante disso, as vantagens não são só oferecidas a estas crianças e suas famílias, mas a todos os envolvidos, inclusive a sociedade a qual pertence. Todos aprendem juntos através da interação mútua e solidária.
A Educação Infantil é um indispensável percurso a ser traçado pelas crianças em faixa etária adequada a este segmento por se tratar da mais interessante forma de socialização e escolarização que antecede o Ensino Fundamental. Desta forma, registra-se a sua importância diante da inserção das crianças nestes espaços coletivos de cuidado e educação. Para tanto, é interessante dizer que a inclusão torna-se cada vez mais necessária no sentido que a Educação Infantil, como 1ª etapa da Educação Básica, apresenta tantas oportunidades que favorecerão o desenvolvimento integral infantil.
Uma instituição educacional que acredita na inclusão deve ter o compromisso de proporcionar situações na rotina da escola que envolva o respeito, amor, cidadania, cuidar de si e do outro, aceitação, companheirismo e todos os valores necessários na formação de um cidadão. Mas, como destaque, devemos conhecer esta criança, suas particularidades para então, incluí-la com uma intencionalidade educacional.
A definição básica da criança que apresenta necessidade especial consiste em que esta apresenta uma necessidade especial na aprendizagem, podendo ser decorrente ou não de causa orgânica, ou ainda, ser resultado de um talento muito superior à média dos colegas das classes regulares de ensino. De forma legal, esta criança é aquela que apresenta “significativas diferenças físicas, sensoriais ou intelectuais, decorrentes de fatores inatos ou adquiridos, de caráter temporário ou permanente”, (Política Nacional de Educação Especial).
Portanto, a comunidade escolar precisa conhecer, antes de mais nada, quem são as crianças que apresentam necessidades especiais, para então melhor entender a relevância do processo. Para isso, é necessário fazer o diagnóstico educacional que consiste em utilizar recursos e procedimentos técnicos por profissionais que compões uma equipe multidisciplinar que avaliarão as crianças e destacarão as características de suas necessidades especiais, bem como poderão elencar causas e consequências destas de forma segura e que serão úteis para o desenvolvimento do trabalho na sala de aula inclusiva.
Sabe-se que podemos encontrar no Brasil diversas formas de se efetivar a inclusão educacional e que as adaptações são muitas, mas é ainda um problema regional, já que vivemos em um país com uma desigualdade social muito evidente e que de forma direta, atinge também as escolas. Diante disso, a partir dos diagnósticos educacionais realizados e das escolas e da realidade de cada instituição, pode ser sugerida a organização do Ensino Itinerante ( professor especializado visita escolas diferentes orientando os demais professores e também alguns alunos) e da Sala de Recursos (sala que conta com material e equipamentos especiais, utilizados por professor especializado que orienta os alunos a utilizá-los na construção do conhecimento). Tais propostas são apenas algumas daquelas que podemos inserir no dia a dia da escola inclusiva.
Outro recurso muito interessante e de grande valia, principalmente para as crianças menores é a Estimulação Precoce que tem como princípio básico a intervenção de uma equipe multidisciplinar no sentido de incentivar o desenvolvimento global da criança através das vivências, estratégias que enfocam os aspectos físico, sensório-perceptivo, motor, sócio-afetivo, cognitivo e da linguagem.
A construção de um ambiente inclusivo pressupõe a articulação de um coletivo de educadores e funcionários da escola de Educação Infantil, estendendo-se também às crianças, aos pais e à sociedade. O compromisso com uma moral voltada à construção de uma sociedade mais humana, em que as diferenças possam existir, deve refletir-se em ações concretas
Uma escola de Educação Infantil pautada na inclusão e que permita a convivência da comunidade, essa consciência da diversidade, possibilitará um preparo para a cidadania e um desenvolvimento humano muito maior para todas estas crianças, proporcionando a elas a garantia do cumprimento das leis vigentes, bem como do desenvolvimento integral da criança e consequentemente da conquista de um futuro mais justo nos diversos segmentos da sociedade a que pertence.
O professor precisa estar atento
Como dito anteriormente, a Educação Infantil enfrenta atualmente um grande desafio: a inclusão em creches e pré-escolas e esta realidade traz ao professor muitos sentimentos que envolvem receio, ansiedade, insegurança. Mas é necessário lembrar que tudo que é novo traz o medo, portanto conhecer o novo, implementá-lo, criar suas próprias receitas proporcionarão o sucesso deste processo.
Conhecendo melhor as peculiaridades de cada uma destas necessidades especiais é possível identificar a significância da luta pela inclusão que visa a inserção destas crianças na escola regular de ensino desde a Educação Infantil, tentando assim assegurar a elas melhores condições de vida e de crescimento, tendo em vista que suas limitações podem ser superadas, embora precisem de auxílio constante da escola, da família, da sociedade tão quanto antes for possível.
Infelizmente a inclusão de crianças que apresentam necessidades especiais ainda não é totalmente realizada na maioria das creches e pré-escolas brasileiras por falta de informação e de interesse das famílias, educadores, instituições educacionais e poder público. Milhares de crianças ainda são privadas de frequentarem uma classe regular de ensino e portanto, lhes são negados os direitos de conhecerem o conhecimento, partilharem amizades e desenvolverem o pensamento do coletivo de forma democrática. Diante disso, é necessário refletir sobre este panorama e compreender que incluir significa oferecer educação de qualidade para todos.
De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil – Volume II, p. 13: “ o ingresso na instituição de educação infantil pode alargar o universo inicial das crianças, em vista da possibilidade de conviverem com outras crianças e com adultos de origens e hábitos culturais diversos, de aprender novas brincadeiras, de adquirir conhecimentos sobre realidades distantes.” Para a criança que apresenta necessidades especiais, este ingresso pode significar a vitória sobre a segregação, pois estando em contato com crianças “normais”, ela aprende o que vivencia e se torna parte fundamental deste mundo, no qual tudo parece desconhecido, mas também do qual necessariamente fará parte.
O RCNEI – Estratégias e orientações para a educação de crianças com necessidades educacionais especiais, definem que o paradigma anterior que propunha uma visão assistencialista, de educação preparatória deve ser rompido e precisamos enxergar a criança como pessoa autônoma, inserida num contexto sócio, histórico e cultural. Nesse contexto, prioriza-se a valorização da dimensão humana, da criança cidadã com seus direitos fundamentais e deveres garantidos, desde seus primeiros anos de vida.
Com a inclusão, a escola de Educação Infantil passa a ser um lugar comum em que se respeitam os alunos de acordo com suas individualidades e em que se torna um ambiente justo, onde estas crianças que apresentam necessidades especiais não serão mais categorizadas a qualquer pretexto. Mesmo que as crianças incluídas não consigam aprender os conteúdos previstos, que são também muito importantes, mas não podem ser o único objetivo da escola, há que se dar a estas crianças o direito à convivência na escola, entendida como espaço privilegiado da formação global . Uma pessoa em tais condições, precisa inquestionavelmente dessa convivência. Além disso, os conteúdos que não aprender numa escola que lhe proporcione um ambiente desafiador e que adote métodos de ensino adequados à diversidade, provavelmente não irá também aprender num ambiente segregado.
Na pedagogia da Educação Infantil, as crianças e as interações que estabelecem entre si e com os outros são o ponto de partida para a construção e reconstrução de uma cultura que está viva, é dinâmica, na qual o “corpo e movimento”, seus sentidos e significados são vistos e vividos como características especificamente humanas. Diante disso, podemos imaginar como se sente as crianças PNEE em contato com o mundo real da qual fazem parte, aprendendo a transpor as limitações e construindo um mundo adaptável a estas.
É importante também que recebam estímulos adequados para garantir a construção de sua autoconfiança e auto-estima, possibilitando às crianças estarem seguras para dar conta de suas necessidades especiais ou não, e as questões inerentes do seu próprio desenvolvimento.
A criança aprende por imitação, portanto elas aprenderão aquilo que lhe for proposto a partir do contato com a escola inclusiva. Quando se fala em benefícios que a inclusão traz, o primeiro pensamento que surge é o de que as crianças que apresentam necessidades especiais têm mais chances de se desenvolver integralmente. Esse senso de responsabilidade pelo bem-estar do outro é um exercício constante nas escolas inclusivas. É preciso que tenham o direito de serem diferentes quando a igualdade os descaracteriza e o direito de serem iguais quando a diferença os inferioriza.
Não há como agir com a criança pequena, sem considerar suas vontades, suas necessidades, seus medos, seus sentimentos. As mudanças substanciais em geral despertam ansiedade, daí a importância de um trabalho consciente e responsável da inclusão ainda na Educação Infantil.
O sucesso da aprendizagem está em explorar talentos, atualizar possibilidades, desenvolver predisposições naturais de cada aluno. As dificuldades e limitações são reconhecidas, mas não conduzem nem restringem o processo de ensino, como comumente se deixa que aconteça.
Entre os benefícios que os alunos das escolas inclusivas, desde a Educação Infantil, comumente relatam estão a descoberta de pontos em comum com pessoas que superficialmente parecem e agem de maneira muito diferente; ter orgulho em ajudar alguém a conseguir ganhos importantes aparentemente impossíveis; ter oportunidades para cuidar de outras pessoas; agir consistentemente baseados em valores importantes, como a promoção da igualdade, a superação da segregação ou a defesa de alguém que é tratado injustamente, etc.
As amizades conquistadas ao longo dos encontros na escola inclusiva, estão de fato no cerne de que todos precisamos uns dos outros. São nossas amizades que nos permitem ser membros ativos e protegidos da comunidade. As amizades ajudam as crianças que apresentam necessidades especiais a garantir que fazem parte da comunidade – em vez de apenas estar na comunidade – é uma realidade para todos, que pode ser construída a Educação Infantil, no ato da inclusão escolar.
As creches e escolas de Educação Infantil, dentro de sua atual e reconhecida função de cuidar e educar, não podem mais deixar de receber crianças que apresentam necessidades especiais, a partir de zero anos, oferecendo-lhes cuidados diários que favoreçam sua estimulação precoce.
A escola comum é o ambiente mais adequado para se garantir o relacionamento dos alunos com ou sem deficiência e de mesma idade cronológica, a quebra de qualquer ação discriminatória e todo tipo de interação que possa beneficiar o desenvolvimento cognitivo, social, motor, afetivo dos alunos, em geral.
Nessa nova perspectiva, a educação inclusiva assume as funções: social, cultural e política, garantindo dessa forma, além das necessidades básicas (afetivas, físicas e cognitivas) essenciais ao processo de desenvolvimento e aprendizagem, a construção do conhecimento de forma significativa, por meio das interações que estabelece com o meio. Essa escola promove a oportunidade de forma aberta, flexível e acolhedora.
Os benefícios da educação inclusiva são recíprocos. A criança tem o estímulo de superar o desafio da execução das tarefas comuns. E o aluno sem deficiências aprende a aceitar o diferente e a atender que há limite para tudo, até mesmo para ele próprio.
Incluir é indispensável, principalmente para melhorar as condições da educação, de modo que na escola possam formar futuros cidadãos mais preparados para viver a vida na sua totalidade, livremente, sem preconceitos, sem barreiras. Não podemos atenuar a situação, devemos buscar soluções, pois o nosso compromisso com o resgate de uma vida escolar de forma a evitar a marginalização, a evasão, a criança estigmatizada é tão grande quanto a paz que carregaremos em nossas consciências
É necessário compreender que a inclusão consiste em reverter a forma de pensar nestas crianças como os “coitadinhos “, e mostrar que a responsabilidade de incluir é de todos nós, membros da comunidade destas crianças . Não é só uma questão de recursos técnicos, mas principalmente na mudança de atitudes de toda a comunidade.

Antes que eles cresçam




Há um período em que os pais vão ficando órfãos de seus próprios filhos. É que as crianças crescem. Independentes de nós, como árvores tagarelas e pássaros estabanados, elas crescem sem pedir licença. Crescem como a inflação, independente do governo e da vontade popular, entre os estupros dos preços, os disparos dos dicursos e os assaltos das estações. Crescem com uma estridência alegre e às vezes, com alardeada arrogância.
Mas não crescem todos os dias, de igual maneira; crescem de repente. Um dia sentam-se perto de você no terraço e dizem uma frase com tal maturidade, que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.Onde é que andou crescendo aquela danadinha, que você não percebeu? Cadê aquele cheirinho de leite sobre a pele? Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de aniversário com palhaços, amiguinhos e o primeiro uniforme do maternal?
A criança está crescendo num ritual de obediência orgânica, desobediência civil. E você agora está ali, na porta da discoteca, esperando que ela não apenas cresça, mas apareça. Ali estão muitos pais, ao volante, esperando que saiam esfuziantes sobre patins, cabelos soltos.
Entre hamburguers e refrigerantes lá estão nossos filhos, com o uniforme de sua geração: incômodas mochilas da moda nos ombros nus, ou, então, com a blusa amarrada na cintura. Está quente, achamos que vão estragar a blusa, mas não tem jeito, é o emblema da geração.
Pois ali estamos, com os cabelos já embranquecidos. Esses são os filhos que conseguimos gerar apesar dos golpes dos ventos, das colheitas das notícias e das ditaduras das horas. E eles crescem meio amestrados, observando muitos erros.Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos.
Não mais os colhemos nas portas das discotecas e festas, quando surgiam entre gírias e canções. Passou o tempo do balé, do inglês, da natação e do judô. Saíram do banco de trás e passaram para o volante das próprias vidas.
Deveríamos ter ido mais à cama deles ao anoitecer, para ouvirmos sua alma respirando conversas e confidências entre os lençóis da infância e os adolescentes cobertos, naquele quarto cheio de adesivos, posters, agendas coloridas e discos ensurdecedores. Não, não os levamos suficientes vezes ao maldito Play Center, Shopping, não lhes demos suficientes hamburguers e cocas, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas merecidas.
Eles cresceram sem que esgotássemos neles todo o nosso afeto.
No princípio subiam a serra ou iam à casa de praia entre embrulhos, bolachas, engarrafamentos, natais, páscoas, piscinas e amiguinhos. Sim, havia as brigas dentro do carro, disputa pela janela, pedido de chicletes e sanduíches, cantorias infantis. Depois chegou a idade em que viajar com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era impossível largar a turma e os primeiros namorados. Os pais ficaram, então, exilados dos filhos. Tinham a solidão que sempre desejaram, mas, não de repente, morriam de saudades daquelas pestes.O jeito é esperar. Qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco. Por isso os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável afeição. Os netos são a última oportunidade de reeditar nosso afeto.
Por isso é necessário fazer alguma coisa a mais, antes que eles cresçam.

A afetividade na Educação Infantil




Na teoria de Jean Piaget, o desenvolvimento intelectual é considerando como tendo dois componentes: o cognitivo e o afetivo. Paralelo ao desenvolvimento cognitivo está o desenvolvimento afetivo. Afeto inclui sentimentos, interesses, desejos, tendências, valores e emoções em geral.

La Taille & Vygotsky (apud La Taille et al., 1992), explicam que o pensamento tem sua origem na esfera da motivação, a qual inclui inclinações, necessidades, interesses, impulsos, afeto e emoção. Nesta esfera estaria a razão última do pensamento e, assim, uma compreensão completa do pensamento humano só é possível quando se compreende sua base afetivo-evolitiva.

No âmbito da educação infantil, a inter-relação da professora com o grupo de alunos e com cada um em particular é constante, dá-se o tempo todo, na sala, no pátio ou nos passeios, e é em função dessa proximidade afetiva que se dá a interação com os objetos e a construção de um conhecimento altamente envolvente.
Essa inter-relação é o fio condutor, o suporte afetivo do conhecimento, neste caso, o educador serve de continente para a criança. Poderíamos dizer, portanto, que o continente é o espaço onde podemos depositar nossas pequenas construções e onde elas tomam um sentido, um peso e um respeito, enfim, onde elas são acolhidas e valorizadas, tal qual um útero acolhe um embrião.

A escola, por ser o primeiro agente socializador fora do círculo familiar da criança, torna-se a base da aprendizagem se oferecer todas as condições necessárias para que ela se sinta segura e protegida. Portanto, não nos restam dúvidas de que se torna imprescindível a presença de um educador que tenha consciência de sua importância não apenas como um mero reprodutor da realidade vigente, mas sim como um agente transformador, com uma visão sócio-crítica da realidade.

A criança ao entrar na escola pela primeira vez, precisa ser muito bem recebida, porque nessa ocasião dá-se um rompimento de sua vida familiar para iniciar-se uma nova experiência, e esta deverá ser agradável, para que haja um reforço da situação.

O profissional da educação procura alternativas e se depara inúmeras vezes com a dificuldade que tem em enfrentar os desafios do aluno, com as suas próprias deficiências e, sobretudo, em se ver fazendo parte neste processo, que é antes de tudo uma troca, possibilita uma busca de transformações para o processo de ensino diário. Somente quando o professor vir que não vê é que algo novo poderá surgir. O afeto do professor, a sua sensibilidade e a maneira de se comunicar vão influenciar o modo de agir dos alunos. Se o professor se expressa de forma agradável ou de forma dura, criará mais motivação no aluno do que um ambiente neutro. Contudo, tal expressão deve ser moderada; nem amigável demais, nem exageradamente dura. O afeto refere-se a atitudes e sentimentos expressados ou presentes no ambiente.
Sua maneira de ser, atuar e falar é muito significativa. O professor pode ser frio, distante, desinteressado ou pode ser alegre, amável e se interessar pessoal e individualmente pelos alunos. Também a sala pode ser fria, sem nenhuma decoração, ou pode ter avisos, quadros, plantas, animais e trabalhos artísticos. Isto vai afetar os sentimentos e atitudes dos alunos.

Um ambiente frio e triste não produz motivação para aprender. A sala deve ter cores e decorações para criar um ambiente de aceitação.
Por "tom afetivo" não devemos entender que o educador deva se comportar como um aluno, ou que não exija respeito. Ele pode ser muito amável e até amigável, sem se pôr a brincar com eles.

Quando a criança nota que a professora gosta dela, e que a professora apresenta certas qualidades como paciência, dedicação, vontade de ajudar e atitude democrática, a aprendizagem torna-se mais facilitada; ao perceber os gostos da criança, o professor deve aproveitar ao máximo suas aptidões e estimulá-la para o ensino.

Ao contrário, o autoritarismo, inimizade e desinteresse podem levar o aluno a perder a motivação e o interesse por aprender, já que estes sentimentos são conseqüentes da antipatia por parte dos alunos, que por fim associarão o professor à disciplina, e reagirão negativamente a ambos.

A todo o momento, a escola recebe crianças com auto estima baixa, tristeza, dificuldades em aprender ou em se entrosar com os coleginhas e as rotulamos de complicadas, sem limites ou sem educação e não nos colocamos diante delas a seu favor, não compactuamos e nem nos aliamos a elas, não as tocamos e muito menos conseguimos entender o verdadeiro motivo que as deixou assim.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Fazeres para o Dia do Meio Ambiente


Árvore com pets

Cachorrinho com cd

Placinho com rolo de papel higiêncico

Árvore de papel

Casinha com caixas de leite

Robôs reciclados

Planeta Terra com papel machê

Vaso de pet para plantas

Cortina com canudos e tampinhas de pet

Comedouro de passarinhos com caixa de leite

Giz de cera reciclado

É isso aí, espero que gostem.
Com carinho

Dia do Teste do Pezinho


Dia 06 de junho é o dia que se comemora o Dia Nacional de Triagem Neonatal ou, do Teste do Pezinho, como é mais conhecido.
No Brasil, esta data foi comemorada pela primeira vez em 2008.
O exame, fornecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é importante no diagnóstico rápido de doenças crônicas ou que possam causar deficiência mental.

O teste do pezinho pode diagnosticar problemas como hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria ou doenças crônicas, como anemia falciforme, explica Inês Fontes, coordenadora do setor de Triagem Neonatal da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). “Em caso de constatação de algumas dessas doenças, o tratamento rápido pode evitar seqüelas, como o retardo mental ou que a doença se agrave, no caso de anemia falciforme”, completa Inês.

O teste do pezinho pode ser feito gratuitamente na APAE ou nos postos de saúde municipais. Todas as amostras recolhidas são enviadas para a APAE, que é referência neste setor na Bahia. Além do diagnóstico das três doenças (fenilcetonúria, hipotireoidismo e anemia falciforme) estabelecidas pelo Governo Federal, na Bahia também é feito o exame de cromatografia de aminoácidos, capaz de diagnosticar outras deficiências no metabolismo de aminoácidos.

Na rede particular, o teste do pezinho com este complemento da cromatografia custa, em média, R$ 57,00. Mas, de acordo com Inês Fontes, não existe diferença nem no exame e nem na tecnologia aplicada.

O ideal é que o teste seja feito entre o terceiro e sétimo dia de vida da criança e que seja respeitado o prazo de 48 horas após a primeira mamada. “Mas o exame pode ser feito depois deste prazo, o importante é fazer, mas lembrando que quanto antes for detectado qualquer problema, mas eficaz será o tratamento”.

O teste é realizado através da coleta de gotinhas de sangue do calcanhar de recém-nascidos. O exame começou a ser feito na Bahia em 1992, mas o Programa de Triagem Neonatal só foi instituído pelo Ministério da Saúde em 2001.

TRATAMENTO - Se o teste do pezinho detectar alguma doença, o exame é repetido e, caso dê positivo novamente, a criança é encaminhada para tratamento, que também é gratuito e feito na APAE. A hipotireoidismo, que é a falta do hormônio da tireóide, é tratada com reposição hormonal. Já quem tem fenilcetonúria, ou seja, dificuldade de metabolizar o aminoácido fenilalanina, precisa tomar um medicamento com uma fórmula especial em aminoácido e ter uma dieta especial.

“O paciente com fenilcetonúria tem garantido o fornecimento do medicamento e também é acompanhado por uma nutricionista, que irá indicar os alimentos que a pessoa não pode comer”, diz Inês.

FALCIFORME - Já a anemia falciforme é uma doença hereditária e causa deformação nos glóbulos vermelhos do sangue. Esta doença é tratada com antibiótico, para evitar que a doença se agrave e afete os órgãos. “Os pais também são orientados para detectar sintomas de crises, como a febre. Essa doença não tem cura, mas se tratada cedo, é possível diminuir as seqüelas”.

De 2001 até 2007, a APAE registrou 49 casos de fenilcetonúria, 454 de hipotireoidismo e 1724 de anemia falciforme através do teste. “A incidência de anemia falciforme na Bahia é alta, um caso para cada 700 nascidos vivos. O estado é o segundo onde há maior incidência, por isso a atenção deve ser redobrada”.


Saiba mais:

Teste do Pezinho
O que é: coleta de sangue do calcanhar do recém-nascido;
Doenças diagnosticadas: fenilcetonúria, hipotireoidismo e anemia falciforme;
Quando deve ser feito: o ideal é entre o terceiro e sétimo dia de vida do bebê e 48 horas a primeira mamada;
Onde fazer: No *APAE, de segunda à sexta-feira, das 7 às 16h. Não precisar marcar horário, o atendimento é feito por ordem de chegada. O teste também pode ser feito nos postos de saúde municipais;
Custo: o exame é gratuito pelo SUS e na rede particular custa, em média, R$57,00.
*APAE – Associação dos Pais e Amigos de Excepcionais de Salvador
Endereço: Rua Rio Grande do Sul, Pituba
Telefone: (71) 3353-6407

05 de Junho - Dia do Meio Ambiente


O Dia Mundial do Meio Ambiente foi estabelecido pela Assembléia Geral das Nações Unidas em 1972 marcando a abertura da Conferência de Estocolmo sobre Ambiente Humano.

Celebrado anualmente desde então no dia 5 de Junho, o Dia Mundial do Meio Ambiente cataliza a atenção e ação política de povos e países para aumentar a conscientização e a preservação ambiental.

Os principais objetivos das comemorações são:
1. Mostrar o lado humano das questões ambientais;
2. Capacitar as pessoas a se tornarem agentes ativos do desenvolvimento sustentável;
3. Promover a compreensão de que é fundamental que comunidades e indivíduos mudem atitudes em relação ao uso dos recursos e das questões ambientais;
4. Advogar parcerias para garantir que todas as nações e povos desfrutem um futuro mais seguro e mais próspero.

O tema do Dia Mundial em 2009 é “Seu planeta precisa de você: Unidos contra as mudanças climáticas”. Ele reflete a urgência de que nações atuem de maneira harmônica para fazer frente às mudanças climáticas, para manejar adequadamente suas florestas e outros recursos naturais e para erradicar a pobreza.

Este ano, o México será a sede mundial das comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente o que reflete o engajamento dos países da América Latina e Caribe na luta contra as mudanças climáticas e na transição para uma sociedade de baixo carbono.

FUNDAMENTOS E METODOLOGIAS DO CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR


O que é cuidar?
O que é educar?
O que é brincar?
Como estes aspectos são trabalhados na Educação Infantil?

*Por Nayara Barrocal

O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (RCNEI), documento do MEC, que fundamenta este segmento educacional apresenta a tríade que contempla o cuidar, o educar e o brincar com as crianças de 0 a 5 anos, porém, nem tudo é como o mesmo define.
Nos últimos anos os debates acerca da Educação Infantil têm apontado a necessidade de que as instituições incorporem de maneira integrada o cuidar, o educar e o brincar. No entanto, esta nova visão enfrenta grandes barreiras diante da história do atendimento as crianças pequenas, principalmente crianças pobres, em cunho meramente assistencialista.
Modificar esta concepção de educação assistencialista significa atentar para questões que vão além dos aspectos legais. Embora tenhamos uma ampla legislação na área da Educação Infantil, ela na assegura a qualidade no atendimento a estas crianças.
Precisamos, enquanto educadores, entender que quando brincamos, cuidamos, quando cuidamos, educamos, e quando educamos, brincamos. E é nessa perspectiva que temos que encaminhar as crianças nesta etapa da vida educacional, pois perceber a indissociabilidade das ações do brincar, cuidar e educar significa que a criança é compreendida como cidadã em processo de desenvolvimento, ou seja, se houver a sentença: Brincar + Educar + Cuidar = o resultado será o desenvolvimento infantil coerente e efetivo.
Estas ações são importantes para a formação social, intelectual, psicológica da criança, mas em especial o brincar, reflete mais relevância, pois é inerente do ser humano, especialmente quando ainda somos bem pequenos, já que através das brincadeiras, a criança se diverte infantilmente com flexibilidade, com aprendizagens acerca da vida, do mundo, do outro.
Delors apresenta a nós educadores o quatro pilares da educação. Segundo o autor, todo o processo educacional é sustentado por: aprender a conhecer; aprender a fazer; aprender a conviver; aprender a ser. E todos estes pontos são facilmente contemplados através do brincar, do educar e do cuidar na Educação Infantil.
Educar, cuidar e brincar são direitos constitucionais da criança, já que em 1988, a Constituição fez referência a este segmento educacional. garantindo o direito as crianças de serem atendidas e respeitadas em suas possibilidades.
Mas, o que significa respeitar a criança? Qual a nossa concepção de atendimento educacional após anos de promulgação das leis brasileiras?
Infelizmente, a intecionalidade destas leis não são atendidas na maioria das escolas infantis, já que hoje, o tempo para brincar é cada vez menor dentro e fora das escolas, e o cuidar e o educar viraram prioridades maiores,talvez por contemplarem os maiores desejos das famílias. E ainda temos que contar negativamente com os meios de comunicação que enclausuram nossas crianças, impedindo que brinquem e que portanto, diminuam a criatividade, e capacidade de pensamento.
Vale a pena refletir acerca desta realidade e nós, educadores, adotarmos nova postura, mais comprometida com a criança, que é o ponto chave do processo educacional na primeira infância.